terça-feira, 25 de agosto de 2009

Desilusione, do latim Desilusão


Quantas vezes nos pegamos imaginando o dia que em fim seremos independentes. Sair quando quiser, voltar quando der na telha além de não precisar dar satisfação a ninguém... É caro amigo esse é o sonho de muitos jovens assim como eu. A parte mais deliciosa de tudo isso é a independência financeira (OOH' coisa boa!) gastar como e com quem você quiser sem se preocupar com a bronca que poderá vir depois.
Muitas vezes pensei tudo isso que descrevi anteriormente, a busca pela tão esperada 'liberdade' sem ter ninguém no seu pé te controlando. Pensava que quando esse momento me chegasse seria livre pra aproveitar todas as coisas boas que a vida pudesse proporcionar. O mal é que quando chega a tão esperada independência chega também as responsabilidades, as escolhas de que caminho devemos seguir e a necessidade de amadurecer para assumir e corrigir nossos erros.
Mais que isso percebi que essa independência na verdade não existe. (Isso mesmo, você não leu errado, i.i ela não existe!) Se pararmos e pensarmos bem perceberemos que ser independente é viver sozinho, sem precisar dos outros. E ninguém consegue viver e ser feliz sozinho. Em nossa sociedade somos como um relógio que possui várias peças que se articulam entre si, se ao acaso uma dessas peças falhar vai interferir no mecanismo de todo o relógio. Isso que me faz crer na não existência da independência, podemos ser autônomos, mas jamais independentes.

1 comentários:

Janine disse...

Geralmente, quando falo de independência, me refiro diretamente a indepedência financeira. Afinal, como você citou, a sociedade é como um relógio, onde não funcionaria se uma peça não existisse. As pessoas são involuntariamente dependente das outras, e muitas vezes não sabem disso. Ótimo post, ;D

Postar um comentário